Menu Content/Inhalt
Home
Paulina Chiziane: o símbolo feminino na literatura moçambicana Imprimir E-mail

fotoPaulina Chiziane é agora uma mulher do mundo, mas esse percurso foi longo e teve um princípio. Esse princípio chama-se “Balada de Amor ao Vento”, uma verdadeira viagem na realidade moçambicana. Eduardo Quive, escritor moçambicano, apresenta aqui uma breve resenha da obra desta autora do Moçambique.

Paulina Chiziane: o símbolo feminino na literatura moçambicana

Eduardo Quive
Escritor moçambicano e integra o Movimento Literário Kuphaluxa

Baladas de levaram Paulina para o vento

fotoPaulina Chiziane é agora uma mulher do mundo, mas esse percurso foi longo e teve um princípio. Esse princípio chama-se “Balada de Amor ao Vento”, uma verdadeira viagem na realidade moçambicana e caracteristicamente o perfil da Paulina para quem acompanha as suas obras. Esta obra retrata, desde a juventude à idade madura, o cenário em que a Sarnau e o Mwando, protagonistas desta eloquente estória de amor, percorrem os dias, os meses, os anos, os encontros e os desencontros, a dolorosa separação, o desespero, o sofrimento, a alegria, as lágrimas e os sorrisos, numa atmosfera que nos envolve e, nos comove.

"Tu foste para mim vida, angústia, pesadelo. Cantei para ti baladas de amor ao vento. Eras para mim o mar e eu o teu sal. No abismo, não encontrei a tua mão."

Mas haverá um reencontro? Serão Sarnau e Mwando capazes de apagar um tão longo e trágico passado? Existirá ainda para eles um futuro a partilhar? Voltarás a conseguir esboçar no rosto o teu lindo sorriso, há muito perdido no tempo? Abrirás enfim os braços para neles abrigares o amor? Ouvirás a melodia que o vento espalha no universo? Texto retirado da contracapa da obra editada em 1990 e reeditada em 2003 pela editora moçambicana, Ndjira. Na segunda viagem, a escritora a voar nos “Ventos do Apocalipse”, lançada pela editora Caminho, em 1999 e reeditada, em 2006.

Guerra, destruição, miséria, sofrimento, humilhação, ódio, superstição, morte. Este é o cenário dantesco, boscheano, que encontramos nas páginas deste romance. A escritora consegue levar-nos ao âmago do mais baixo dos mais baixos degraus de degradação do ser humano.

Com ela percorremos as vinte e uma noites de pesadelo e tormentos que foi o êxodo dos sobreviventes de uma aldeia.

"Se o homem é a imagem de Deus, então Deus é um refugiado de guerra, magro e com o ventre farto de fome. Deus tem este nosso aspecto nojento, tem a cor negra da lama e não toma banho à semelhança de nós outros, condenados da terra. O Diabo, sim, esse deve ser um janota que segura os freios da vida dos homens que sucumbem." Ndjira.

Já “O Sétimo Juramento”, lançada em quatro edições, concentra-se num fenômeno que é muito característico nas famílias moçambicanas, mais hoje, ainda que de forma oculta.

Feitiços, tabus, magia negra, fantasia e muito pânico, é a vida que nos é demonstrada por esta autora, baseando-se numa família de condições médias, e cheia de muitos problemas, que se supõe que seja obra de feitiçaria. Nesta obra, o personagem David, sem se aperceber, entrega-se a magia negra e as tradições mais antigas das famílias moçambicanas, sobrevivendo do curandeirismo e atos assustadores para o seu crescimento econômico.

Por outro lado o seu filho enfrenta uma maligna doença que se manifesta de uma maneira estranha, e assim vai se fazendo esta obra, desvendando estes mistérios que nos levam a delirar a cada página. Estas são algumas ideias trazidas em termos da nossa percepção da qualidade bibliográfica da Paulina Chiziane, que brindou as mulheres, já em 2002 com seis reedições que tomaram o mundo. Por último, nos trouxe “O Alegre Canto da Perdiz” que exalta, igualmente, a vida de uma mulher bonita que encanta até homens brancos e “As Andorinhas” que relata a estória de alguns Heróis Moçambicanos, como Eduardo Mondlane.

Prêmios

Em termos de prémios, Paulina Chiziane, não nos remete a várias viagens, tendo vencido em 2003. o Prémio José Craveirinha, pela obra “Niketche: Uma História de Poligamia”.

Mas em termos de acontecimentos mais marcantes na carreira desta escritora, destaca-se a sua designação, pela União Africana (UA), como embaixadora da paz para África em Julho de 2010.

Sobre o feminismo da Paulina Chiziane

“Eu sou uma mulher e falo das mulheres”

Muitas vezes tem se chegado a conclusão de que Paulina Chiziane é feminista, entretanto, em entrevista com o Kuphaluxa, a escritora não deu importância, simplesmente escusou-se de assumir ou negar esta postura.

“Estou me nas tintas... que o chamem. Eu sou uma mulher e falo de mulheres, então eu sou feminista? É simplesmente conversa de mulher para mulher, não é para reivindicar nada, nem exigir direitos disto ou daquilo, porque as mulheres têm um mundo só delas e é isso que eu escrevi, e espero que isso não traga nenhum tipo de problemas, porque há ainda pessoas que não estão habituadas e não conseguem ver as coisas com isenção.”

Na mesma entrevista, a escritora, falou ainda da sua postura feminina, principalmente, argumentando o factor mulher no auge das atenções no mundo africano.

“Ser mulher é muito complicado, e ser escritora é uma ousadia. Como é uma ousadia a mulher sair de madrugada ir a praia comprar peixe para vir cozinhar. A mulher está circunscrita num espaço e quando salta essa fronteira sofre represálias, há quem não as sente de uma forma directa, mas a grande maioria...”

“É sempre uma dificuldade, porque primeiro, eu tenho de provar que sou capaz, depois tenho de conquistar um espaço. Eu tenho que trabalhar muito para mostrar que não foi por acaso que as coisas aconteceram. Mas agora estou numa fase mais estável em que as pessoas já não se assustam e, de certa maneira, já não implicam; mas para chegar até este ponto teve de ser uma batalha.” Disse Paulina.

Sobre a escrita e a literatura moçambicana, a escritora disse que escrever é uma maneira de estar no mundo.

“Eu preciso de meu espaço, é por isso que eu escrevo. Em primeiro lugar eu escrevo para existir, eu escrevo para mim. Eu existo no mundo e a minha existência repete-se nas outras pessoas. E neste caso é um livro, que depois será lido.”

“Acho que está a ganhar uma dinâmica maior nos últimos anos, há autores que começam a apostar muito seriamente e apresentam propostas novas. E há novos talentos, tantos, mas o que falta é uma mão, por exemplo aqui em Quelimane há um movimento muito grande.”

Verdade ou não, Paulina Chiziane é um dos símbolos do romancismo literário moçambicano, até hoje, a única mulher que tem se identificado com este género, mas não assumindo, como me referi, na introdução deste texto.

“Não sou romancista, sou apenas contadora de estórias. Estórias longas e curtas, inspiro-me nos Nkariganas em volta da lereira, que os nossos avós contam-nos.” Diz sempre a escritora.

Biografia

Paulina Chiziane nasceu no distrito de Manjacaze, província de Gaza, a 4 de Junho 1955. É uma escritora moçambicana, que apesar de ser identificada como romancista, nunca assumiu esta identidade do gênero literário e classifica-se como uma contadora de estórias longas. Com as suas aves formadas nos subúrbios da cidade de Maputo, Paulina, nasceu numa família protestante onde se falavam as línguas Chope e Ronga. Aprendeu a língua portuguesa na escola de uma missão católica. Começou os estudos de Linguística na Universidade Eduardo Mondlane sem, porém, ter concluído o curso. Iniciou a sua atividade literária em 1984, com contos publicados na imprensa moçambicana, como, a Revista Tempo e Domingo.

 
< Anterior   Próximo >

Artigos já publicados

“Maria erótica e o clamor do sexo”

capaRecentemente uma série de pesquisadores vêm se debruçando sobre temas até há pouco considerados indignos de análises sérias e sistemáticas, dentre estes, o universo da pornografia. “Maria Erótica e o clamor do sexo: imprensa, pornografia, comunismo e censura na ditadura militar, 1964-1985, livro escrito pelo jornalista Gonçalo Júnior, insere-se nesta relação de pesquisas sobre temas inusitados, mas que muito revelam a respeito da nossa sociedade.

Leia mais...