Menu Content/Inhalt
Home
A construção espacial em Eurico, o presbítero de Alexandre Herculano Imprimir E-mail

A CONSTRUÇÃO ESPACIAL EM EURICO, O PRESBÍTERO DE ALEXANDRE HERCULANO COMO ÍNDICE DOS SENTIMENTOS DOS PROTAGONISTAS DA OBRA

Luzia Antonelli Pivetta
(Licenciada em Letras, Pós-graduanda em Estudos Literários/FURB)

O Romantismo foi inaugurado em Portugal por Garrett, em 1825, com a publicação do poema Camões.

Eurico o presbíteroRepudiando os clássicos, ou melhor, os neo-clássicos, os escritores românticos revoltam-se contra as regras fechadas, os modelos, e as normas tipicamente classicistas; batem-se pela liberdade da criação artística e defendem a mistura e a “impureza” dos gêneros literários.

Conforme Paulo Vizzioli (1985:139), para o Romantismo, “a razão devia brotar do sentimento, o grande impulso inicial que propiciaria a estruturação, de dentro para fora, das ‘formas’ adequadas”. Imerso em seu caos interior, o romântico acaba por sentir melancolia e tristeza que, cultivadas ou brotadas durante a introversão, o conduzem ao “mal do século”, ou seja, a busca dos sentimentos e da liberdade entra em choque com a realidade humana e, muitas vezes, gera a insatisfação, a depressão e a melancolia em relação ao mundo incompreendido. Daí sobrevém a terrível angústia, logo transformada em insuportável desespero. Para sair dele, o romântico vislumbra, em geral, duas saídas: a deserção pelo suicídio, ou a evasão para a natureza - vista por ele como um lugar puro e que gera a inspiração. É nessa natureza que, segundo Otto Maria Carpeaux (1985:162), “o senso histórico dos escritores românticos torna os ambientes mais precisos, mais exatos, pretendendo reconstituir o passado”. Tal aspecto figura nos romances históricos, em que a Idade Média é glorificada e as épocas pós-medievais são escolhidas só para descrever, com nostalgia, a derrota e o desaparecimento de tradições veneráveis.

Nesse contexto, inserem-se as obras de Alexandre Herculano, que foi o iniciador do romance histórico em Portugal, seguindo o modelo de Walter Scott. O romancista português fez reviver em suas obras as velhas tradições da vida medieval.

Um exemplo disso é a obra Eurico, o presbítero que trata da história de um jovem gardingo, Eurico que, frustrado pela proibição do seu casamento com Hermengarda, filha de Fávila, duque de Cantábria, troca a armadura de guerreiro pela batina de sacerdote, para curar-se do amor impossível. Em meio à questão amorosa, tem-se a invasão árabe na Península Ibérica. Ao lado das tropas cristãs se sobressai o heroísmo de um Cavaleiro Negro. Durante a invasão, Hermengarda é aprisionada pelos árabes e é salva por este cavaleiro que a leva para a caverna Covadonga. Neste espaço, dá-se a revelação, Hermengarda depara-se com Eurico, seu antigo amor, e este revela que o presbítero de Cartéia e o Cavaleiro Negro são a mesma pessoa, conseqüentemente, mais uma vez, seu amor é impossível de realizar-se. Ao saber disso, Hermengarda perde a razão e Eurico parte para um combate suicida contra os árabes. Este fato desvela um dos aspectos românticos: o suicídio e a loucura, como formas de evasão dos personagens.

Nesse contexto, pretende-se analisar as relações entre a figuração do espaço e a construção dos personagens no romance.

O espaço, a ambientação e os protagonistas

A narrativa é um objeto denso. Apesar de tudo é possível, através da análise, isolar artificialmente um de seus aspectos compositivos e estudá-lo, sem excluir os demais. Assim, é viável aprofundar a compreensão do espaço e da função que desempenha no romance. Segundo Osman Lins (1976: 72), “pode-se dizer que o espaço no romance tem sido tudo que, intencionalmente disposto, enquadra a personagem e que, inventariado, tanto pode ser absorvido como acrescentado pela personagem”.

Na obra de Herculano, o narrador situa o espaço geográfico por nomes de rios, vales, montanhas, países, etc. Ele localiza Cartéia, a morada de Eurico: “No Recôncavo da baía [...] ao oeste do Calpe [...] a filha dos fenícios [...] do estreito que divide a Europa da África” (p.21); o trajeto percorrido pelos árabes das montanhas do Bélon até Lastígi (p.66): “para os vales de Gales a Segância”, “nas margens do Críssus”; e o mosterio da Virgem Dolorosa (p.87), onde Hermangarda refugia-se para fugir dos árabes: “situado numa encosta [...], no topo da cordilheira dos Nervásios”. Vale ressaltar aqui a preferência por utilizar os nomes medievais dos lugares, acentuando o efeito de historicidade e de verossimilhança externa na obra.

Antônio Dimas (1985:38) ressalta que “durante o romantismo poetas e prosadores apresentam a natureza como um refúgio ideal para onde sempre corre o protagonista quando acometido pelo mal do amor”. Tal situação pode ser observada quando Eurico isola-se nas montanhas, buscando inspiração para a composição de seus hinos ou poemas e consolo para sua aflições: “encaminhando-se para os Alcantis aprumados à beira –mar [...] viam-no chegar às raízes do Calpe, trepar aos precipícios, sumir-se entre os rochedos e aparecer [...] sobre algum píncaro requeimado” (p.25). Pode-se observar que, para dar expressividade aos seus pensamentos e encontrar inspiração poética, Eurico necessitava de lugares amplos, espaços abertos, naturais, que lhe dessem liberdade. Por acreditar que o meio urbano, requintado e decadente, é impuro e corrompido, o escritor romântico passeia com seus personagens livremente pelas paisagens, como ressalta o próprio Herculano (2003: 26): “o poeta precisa viver num mundo mais amplo do que esse que a sociedade traça tão mesquinhos limites”. Na obra, a expressão: “vagabundo pelas campinas vizinhas”(p.27), que caracteriza Eurico, remete à idéia de um ser inadaptado que procura a solidão, e vê, no silêncio da noite, o seu refúgio: “em noites não dormidas, na montanha ou na selva [...]”(p.28). Isso já insinua a ligação íntima entre o espaço e a história do personagem, pois é nesse ambiente soturno que Eurico consegue sentir-se livre para compor seus hinos e meditar.

Antônio Cândido (1978:05) afirma: “torre, morro, pico de ilha, rochedo isolado, castelo elevado, o próprio espaço são lugares prediletos dos românticos, que neles situam os encontros do homem com seu sonho de liberdade ou poder”. Assim, pode-se observar que a natureza, ou seja, o espaço natural, passa a ser a expressão da criação e perfeição de Deus, a única paisagem sem a mão corrupta do homem na qual o romântico encontra o seu refúgio.

Ainda de acordo com Lins (1976:77), destaca-se, na caracterização do espaço, a ambientação, que o autor define como: “o conjunto de processos conhecidos ou possíveis, destinados a provocar, na narrativa, a noção de um determinado ambiente”. A criação de ambientes parece ser um dos elementos valorizados pela narrativa, na caracterização do espaço e na sua relação com os protagonistas. A descrição do Presbitério (p.21) - “edifício humilde, [...] cantos enormes sem cimento alteiam-lhe os muros” - dá uma idéia de simplicidade e degradação. Em seguida, “um teto achatado tecido de grossas traves de carvalho subpostas ao tênue colmo” revela a imponência e a solidez da arquitetura medieval, contrastando com a simplicidade antes descrita. O ambiente austero - “o seu portal profundo e estreito pressagia de certo modo a portada da catedral da Idade Média[...]” - sugere o aspecto de confinamento, que concretiza o sentimento de prisão que o sacerdócio imprime ao homem, neste caso a Eurico. Tal aspecto também é sugerido na descrição do espaço interior: “[...] as suas janelas, por onde a claridade, passando para o interior, se transforma em tristonho crepúsculo, são como um tipo indeciso e rude das frestas [...] por vidros de mil cores a luz ia bater melancólica nos alvos panos dos muros gigantes e estampar neles as sombras das colunas e arcos [...]” (p.22). Esse ambiente sombrio, representado pela falta de claridade, imprime ao personagem uma imagem melancólica, pois, na medida em que fora infeliz no amor, fechara-se para a vida e, desenganado do mundo, triste e já sem esperanças, procurava no silêncio desse espaço disfarçar seu infortúnio. A sensação de mistério impregnada no local também se estende a Eurico, que esconde seus segredos nas suas “[...]noites de agonia volvidas nos ermos do Calpe”. (p.23)

Através da descrição do Mosteiro da Virgem Dolorosa (p.87-88), pode-se observar, mais uma vez, que a ambientação revela a atmosfera fechada, na qual está inserida a protagonista Hermengarda e as monjas que nele habitam. Caracteriza-se por ser um lugar seguro, protegido da fúria dos invasores árabes. O local é praticamente inacessível, uma fortaleza: “os muros fortíssimos daquele vasto edifício, as suas portas tecidas de ferro e carvalho [...] os fossos profundos que o circundavam [...]”. A caracterização dos espaços interiores reforçam a idéia de refúgio intransponível - “grossos cantos de mármore” - de silêncio, calmaria e isolamento - “claustros pacíficos e saudosos onde nunca soara o ruído tormentoso da vida [...] silenciosa morada de virgens inocentes” – e combinam com os sentimentos de solidão, sofrimento e estado inacessível da protagonista. A alma de Hermengarda, acometida pelo mal do amor impossível e em profunda solidão, sofre calada, também não encontrando lugar para uma vida tranqüila em seu ser: ”[...] ainda não achei no mundo alma com quem me fosse dado repartir o cálix do infortúnio” (p.166). Portanto, pode-se dizer que este espaço está para a vida isolada e nostálgica da personagem. Além disso, é necessário levar em conta o próprio nome do mosteiro, “da Virgem Dolorosa”, como algo que caracteriza a personagem, que também era virgem, imaculada: “os lábios de donzela [...] o seu gesto angélico”(p.165); e sofredora: “[...] bem longo e atroz tem sido o meu martírio” (p.166).

Observa-se, então, que tanto Eurico, quanto Hermengarda habitam por lugares e ambientes que, de certa forma, ligam-se a eles.

Há também a ambientação de espaços naturais, como é o caso do trecho em que é apresentado o caminho percorrido pelo Cavaleiro Negro – Eurico – e os outros guerreiros que o acompanham, quando vão salvar Hermengarda que fora capturada pelos árabes. Nota-se que é o caminho perigoso, assustador e cheio de obstáculos - “mil acidentes de cordilheiras cortadas, algares profundos, gargantas selvosas, picos agudos, abismos e torrentes” (p.138) – que leva os amantes ao reencontro. Tal ambientação já cria expectativas sobre o desenrolar dos acontecimentos, sugere o triste destino dos mesmos e não deixa de ser uma metáfora do futuro de Eurico : “O seu presente e o seu porvir eram, [...] um precipício sem fundo, indelineável, tenebroso e maldito” (p.163).  A atmosfera que essa “natureza rude” apresenta “à luz da lua” é obscura, soturna, cheia de mistérios, assim como, de certa forma, fora a relação de Eurico e Hermengarda, pois, para a protagonista, após o episódio em que seu pai não consentira que ela casasse com seu grande amor, a falta de notícias fizera com que acreditasse que ele tivesse morrido, enquanto que Eurico acreditava que Hermengarda cedera sem resistência à vontade do pai. Portanto, permanecem mistérios e alguma obscuridade no pensamento de ambos, que só virão a ser esclarecidos no final do romance. A expectativa de morte também pode ser inferida no trecho: “a brancura desbotada e pálida do rochedo [...] a pretidão fechada dos pinheiros retintos na sombra da noite” (p.138). Devido às condições de angústia e insatisfação que estavam vivendo, os personagens desejam a morte, para Eurico: “A morte, esta idéia [...] pálida ou negra, veio suavizar o martírio daquela alma atribulada[...]” (p.164); já Hermengarda pressentia sua chegada: “porque bem sinto a morte chamar-me [...] Eurico a espera para o ‘noivado do sepulcro’[...]” (p.167). Vale ressaltar também que o ideal de morte e o amor eterno unem-se aqui numa metáfora bastante romântica.

O espaço se fecha mais com a caracterização da caverna Covadonga, local onde ocorre o reencontro dos protagonistas. É no interior desse ambiente que Eurico observa: “num recesso da gruta, formado pelos ressaltos das rochas [...] “um pano púrpura franjado de ouro pendia da abóbada natural preso nas estalactites seculares que dela desciam [...] a luz dos fachos mal alumiava aquele recanto afastado; mas nessa meia-claridade branquejavam roupas alvas de mulher [...]”(p.154), e recorda as aflições e desejos que o perturbaram quando salvara Hermengarda: “Por horas, que haviam sido para ele uma eternidade de ventura, o respirar daquela que amava como insensato se misturara com seu alento; por horas sentira o calor das faces dela aquecer as suas, e o coração bater-lhe contra o seu coração [...]”(p.162). O personagem necessita penetrar na profundeza do passado para compreendê-lo e renascer em uma nova etapa da vida. Segundo Chevalier/Gheerbrant (1998:214), “a caverna simboliza a exploração do eu interior, e, mais particularmente do eu primitivo, recalcado nas profundezas do inconsciente”. Portanto, a profundidade e a penumbra desse espaço vai se manifestar na alma de ambos os personagens e se tornará propício às revelações íntimas dos mesmos. A sedução da “meia - claridade” sobre as roupas de mulher cria cenário para que Eurico, instintivamente, aproxime-se de Hermengarda, envolvendo-se ambos numa situação impregnada de desejos: “O vulto cravara nela um olhar ardente que a fascinava [...] o repentino impulso de sua alma foi lançar-se nos braços de Eurico [...] reteve-a, todavia, o pudor [...]” (p. 167-169). Demonstra-se, assim, o fato de que, embora os protagonistas tenham renegado o seu passado a fim de sufocar um sentimento, ele vem à tona com mais força, e o espaço parece realçar isso. Ao mesmo tempo em que simboliza a exploração do eu interior, pode representar também a falta de saída, ou a falta de solução para o momento vivido pelos protagonistas – o sacerdócio impedia a realização do desejo amoroso – que culmina com as únicas formas de evasões possíveis naquele momento: a morte de Eurico e a loucura de Hermengarda.

Conclusão

As passagens analisadas indicam a importância da construção dos espaços na obra Eurico, o presbítero. É através da descrição do espaço geográfico, apresentado pelo narrador por nomes de rios, vales, montanhas, países, etc, que os personagens são enquadrados, ou seja, são situados em determinados locais, o que acentua o efeito de verossimilhança externa do romance, como é o caso da localização de Cartéia, morada de Eurico, os caminhos percorridos por árabes e godos, o mosteiro da Virgem Dolorosa, onde Hermengarda refugia-se dos árabes, etc.

Na caracterização dos espaços, pode-se observar a forma da ambientação, que se destina a provocar, na narrativa, a noção de uma determinada atmosfera e sua relação com os protagonistas. Nota-se os casos do Presbitério e Eurico – atmosfera de tristeza, agonia, infortúnio e a concretização do sentimento de prisão que o sacerdócio imprime ao homem; do Mosteiro da Virgem Dolorosa e Hermengarda – atmosfera de silêncio, isolamento, saudade e a concretização dos sentimentos de solidão, sofrimento e estado inacessível da mesma; da Caverna Covadonga e os amantes – atmosfera de soturnidade, obscuridade, de revelação de desejos, de falta de saída existencial, de solução que culmina com a morte de um e a loucura de outro.

Não se pode esquecer, é claro, da relação íntima dos personagens com os espaços naturais, por exemplo, de Eurico com as montanhas do Calpe onde costumava refugiar-se para compor seus hinos. Essa necessidade de buscar a natureza justifica o fato de que, como já dizia Herculano a respeito de seu personagem: “o poeta precisa viver num mundo mais amplo do que esse que a sociedade traça tão mesquinhos limites” (p.26). Ou seja, há uma necessidade de sentir-se livre, fora do meio impuro e corrompido da sociedade burguesa, ao contrário da outra construção “mais fechada” do espaço que deixa transparecer os desejos e preocupações dos personagens, com a morte e com o futuro, ou seja, a sua falta de perspectiva.

Portanto, nos espaços fechados, figuram, predominantemente, a exploração do eu interior, a falta de saída existencial e a impossibilidade de concretização dos anseios dos amantes, como é o caso da Caverna Covadonga. Já os espaços abertos representam o lugar da procura de uma resolução para um conflito vivido, da liberdade não encontrada nos fechados e tão desejada pelos personagens. Além disso, pode-se dizer que há na obra uma oscilação dos espaços, caracterizada pela ambientação, que revela as diversas atmosferas presentes: soturna, escura, úmida, fechada, ampla, etc, insinuando que os acontecimentos mais importantes ocorriam em “hora duvidosa entre a claridade e as trevas” (p.89). Sendo assim, a ambientação pode ser entendida como sinal da imaginação, da (trans)figuração do espaço pelo discurso literário.

Diante das considerações feitas, é possível concluir que a descrição dos espaços e a ambientação são de fundamental importância no desenvolvimento do romance Eurico, o presbítero, e na constituição dos protagonistas, uma vez que os aspectos analisados mostram o quanto o espaço pode influenciar, envolver, penetrar, localizar e demarcar a vida dos personagens numa obra.

Referências Bibliográficas

CÂNDIDO, Antônio. Tese e Antítese: ensaios. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1978.
CARPEAUX, Otto Maria. Prosa e Ficção do Romantismo. In: GUINSBURG, J. O Romantismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. 12.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.
DIMAS, Antônio. Espaço e Romance. São Paulo: Ática, 1985.
HERCULANO, Alexandre. Eurico, o Presbítero. São Paulo: Martin Claret, 2002.
LINS, Osman. Lima Barreto e o Espaço Romanesco. São Paulo: Ática, 1976.
VIZZIOLI, Paulo. O Sentimento e a Razão nas Poéticas e na Poesia do Romantismo. In: GUINSBURG, J. O Romantismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985.

 
< Anterior   Próximo >

Artigos já publicados

As Confissões Prematuras de Salim Miguel

Aos que duvidam da qualidade da literatura produzida em Santa Catarina, seja em seus aspectos estéticos, seja na sua proposta de vanguarda, ler “As Confissões Prematuras”, de Salim Miguel, é passo certo para que mude de opinião. Publicada em 1998 pela editora Letras Contemporâneas, de Florianópolis, esta novela ousa na estrutura e naquilo que tem a dizer, inscrevendo seu autor entre os grandes escritores da prosa contemporânea.

Leia mais...